NOTCIA

11/01/2021 |

Governo de SP pede

Compartilhe esta notcia

Após receber a informação da Anvisa de que  ainda faltam documentações para que a CoronaVac, vacina desenvolvida pela chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, tenha seu uso emergencial aprovado no Brasil, integrantes do governo João Doria tem criticado o "rigor seletivo" da agência.

Segundo informações do blog do jornalista Lauro Jardim, as conversas nos bastidores mostram que a postura é diferente dos "comunicados polidos" que são divulgados pelo Butantan após as notificações da Anvisa . De acordo com o texto, a avaliação do governo de São Paulo pode ser resumida da seguinte forma: "Todo rigor da Anvisa com a vacina do Butantan . Nenhum rigor com a vacina da Fiocruz ".

A análise surge um dia após o governador João Doria utilizar as redes sociais para pedir "senso de urgência da Anvisa" para liberação da CoronaVac: "ritos da ciência devem ser respeitados, mas devemos lembrar que o Brasil perde cerca de mil vidas/dia para a Covid-19 . Com a liberação da Anvisa, milhões de vacinas que já estão prontas poderão salvar vidas". Segundo o plano de Doria, a vacinação com a CoronaVac em São Paulo deve começar em 25 de janeiro . A data é simbólica por ser a do aniversário da capital paulista

O pedido de uso emergencial da CoronaVac foi entregue na sexta-feira (8). Na mesma data, a Fiocruz formalizou solicitação semelhante para a vacina da AstraZeneca/Universidade de Oxford , principal aposta do governo federal.

A submissão da documentação ocorreu no dia seguinte à apresentação do percentual de eficácia da CoronaVac nos estudos com voluntários no Brasil. Segundo o Butantan, a  vacina alcançou 78% de eficácia por aqui. Os cientistas, no entanto, não divulgaram informações sobre a eficácia global do imunizante.

No sábado, seguindo o prazo de 24 horas estipulado para uma avaliação prévia dos documentos, a Anvisa apontou que a documentação do Butantan precisa de mais seis tipos de dados (entenda quais são eles). Os papéis da Fiocruz , em contraste, foram considerados suficientes para o processo continuar.

Após esse aval inicial da documentação, a Anvisa estima que a resposta, liberando ou não o uso emergencial das vacinas, deva sair dentro de dez dias.

'À disposição' - O Instituto Butantan , por meio de nota à imprensa, informou na noite de sábado que "permanece fornecendo todos os documentos necessários" para a Anvisa. De acordo com o comunicado, as orientações serão "prontamente atendidas".

"Os pedidos de novos documentos ou mais informações são absolutamente comuns em processos como esses. Neste sábado, o Instituto Butantan fez duas reuniões com o órgão e está à disposição para o fornecimento de todos os dados complementares solicitados", concluem.

OURINHOS NOTÍCIAS É COMPLETO, POR ISSO É LÍDER EM AUDIÊNCIA!!!

Fonte: IG

Comente esta notcia
Deixe seu comentrio abaixo:

termos de uso

COMENTRIOS

PUBLICIDADE