ARTIGO

23/06/2013

A presidenta Dilma Rousseff falou, mas no disse

Compartilhe este artigo

*Em artigo, o cientista poltico Wanderley Guilherme dos Santos analisa o pronunciamento desta sexta e afirma que o discurso foi ineficaz e que as manifestaes revelam o maior ataque democracia dos ltimos 20 anos No se cura tuberculose por decreto ao fim de passeatas. Mas as gangues de ladres e depredadores que desde tera-feira, dia 18 de junho, receberam de presente a mais legtima carona da sociedade desfiles pacficos em nome da democracia esto pouco se lixando. Os articuladores annimos dos grupos violentos de direita, neo-nazistas inclusive, e dos radicalides sociopatas, conhecem muito bem o tempo das polticas, mas no o que os interessa. Para os atrados de boa f para a trapaa reivindicatria, enfim, o discurso da presidente Dilma no trouxe novidade. Investimento em sade e educao, ensino tcnico como nunca visto, transparncia na administrao, atravs da lei de acesso informao, apurao de desvios administrativos, com indita demisso de ministros, so polticas j em vigor e rotineiras, isto , no h mais discusso sobre se devem ou no devem ser executadas. So polticas de Estado, compromisso do pas. Isso para no enumerar sucessivas inovaes na poltica social que, estupidez que o amanh julgar, passou a ser impudico mencionar em meios de classe de renda mais elevada. A mensagem da presidente arrisca ser ineficaz, do mesmo modo como so absolutamente vazias as reivindicaes marchadeiras: sade, educao, transparncia, tica na poltica sem que se indiquem os acusados de objet-las. Por isso, as provocaes tendem a perdurar enquanto os de boa f no se derem conta de que so equivocadas as manifestaes com tanta virulncia contra o que de fato j est em execuo, obtendo variados graus de sucesso. O cerne da contestao no est nas demandas fragmentadas. Est no ataque democracia como sistema capaz de prover e operar uma sociedade justa. Em outras palavras: segundo os mentores e comentaristas convertidos os grandes feitos dos ltimos governos no seriam to significativos, antes revelando ser a democracia, pelo menos em sua forma atual, um desastre governativo. Recusa enftica a esse niilismo no constou, mas devia ser crucial, do discurso presidencial. A mensagem subliminar dos arquitetos da desordem (com exceo do Movimento pelo Passe Livre fora) e dos aproveitadores de todas as idades tem consistido em insinuar que as instituies democrticas governo representativo, parlamentos, movimentos sociais organizados, partidos polticos so os obstculos construo de uma sociedade mais justa e livre. Golpistas crnicos, anarquistas senis em busca de holofote, muitos jovens anencfalos e assustados da classe mdia em geral, formam a retaguarda deste exrcito do obscurantismo e da violncia. A essncia desse arremedo intolerante de participao uma reao democracia e suas realizaes. Faltou ao discurso de Dilma Roussef uma declarao de que reconhecia as manhas dos que se aproveitam das boas intenes para conduzi-las ao inferno. E de que no se submeter a elas. Enquanto a empulhao televisa continua a descrever as manifestaes cvicas at aqui pacficas, no meio das passeatas, como se as apresentadoras no soubessem o que viria ao fim da encenao, registro que, em minha opinio, se trata do maior cerco reacionrio, nacional e internacional, que este pas j sofreu nos ltimos vinte anos.

Autor: Wanderley Guilherme dos Santos - Fonte: IG

Comente esta notcia
Deixe seu comentrio abaixo:

termos de uso

COMENTRIOS

PUBLICIDADE